Vestida de poesia

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016





Vestida de poesia

E então saí assim...
Quase louca,
Pelas ruas da cidade...
Vestida de poesia!
Alimentando-me dos sonhos espalhados na madrugada,
Pendurados nas folhas refletindo felicidade...
Irradiando o mais fino dourado do Sol do amanhecer...
Buscando a aurora boreal com minhas próprias mãos,
A enfeitar o meu corpo com as mais lindas cores.
Acordando meus sonhos com a luz do alvorecer...
E ao som de acordes celestiais,
Fui acordando as flores na sua preguiça matinal...
Querendo escrever um poema-nuvem num papel de cetim,
E entregar aos pássaros do céu para fazerem festim...
Pensei em pegar a linha do horizonte,
E escrever em letras grandes todos os meus sonhos de criança.
E entregar para o mundo, embalado com muito amor,
Ponteado com as cores, que o arco íris pintou.
E foi então que me encontraram assim:
Vestida num vestido de poesia, submersa num mar de inspiração, 
cercada de letras por todos os lados...



Valdenir Cunha da Silva

5 comentários:

  1. não é a primeira v~es que leio lindos poemas escritos nas estrelas,sobre o clarão da lua. versejando , lindas poesias. valdenir cunha

    ResponderExcluir
  2. não é a primeira v~es que leio lindos poemas escritos nas estrelas,sobre o clarão da lua. versejando , lindas poesias. valdenir cunha

    ResponderExcluir
  3. não é a primeira vês que leio. lindos poemas , escritos nas estrelas no clarão da lua, e recitado ao amanhecer do dia. por valdenir cunha.

    ResponderExcluir